O Espartano Voador - Marinos Mitralexis o Ás grego da Segunda Guerra Mundial

  
Marinos, o "Hércules dos Céus" ou "Espartano Voador"

Marinos foi um herói e ás da Força Aérea Grega durante a Segunda Guerra Mundial.

Em 28 de Outubro de 1940, as forças militares italianas iniciaram um avanço contra a Grécia a partir da Albânia (território já ocupado por Mussolini). Com uma grande força terrestre e aérea, os italianos acreditavam que poderiam derrotar a Grécia facilmente, assim como os alemães fizeram na Polônia, um ano antes, num verdadeiro "rolo-compressor". Entretanto as tropas fascistas não contavam com a ferocidade e bravura da resistência grega.

A Força Aérea Italiana, especialmente, achava que poderia controlar os céus da Grécia sem problemas, já que tinham 463 aeronaves, e os gregos apenas 77. Então novamente os italianos não contavam com a resistência de um piloto em especial, Marinos Mitralexis, que graças a suas façanhas aéreas ele se tornou o piloto grego mais famoso da Segunda Guerra.

Em 2 de Novembro de 1940, O 2º Tenente Marinos Mitralexis pilotava o seu PZL P.24 (avião polonês monoplano e monomotor) quando sua unidade foi ordenada à interceptar um esquadrão de 29 bombardeiros italianos Spavieros, que rumavam para a cidade de Thessaloniki. 



O Avião pilotado por Marinos, o PZL P.24, armado com 2 metralhadoras 7,62mm e 2 canhões de 20mm

Bombardeiros médios italianos Savoia-Marchetti SM.79 Sparviero. Podiam carregar até 1.200 kg de bombas e eram armados, em suas torres de defesa, com 1 canhão de 20mm apontado para o nariz e 3 metralhadoras, uma de 12mm e as outras de 7.62mm apontadas para trás, no dorso do avião.


Os dois esquadrões antagônicos se encontraram a meio caminho do alvo italiano, 3 bombardeiros Spavieros foram derrubados e os restantes estavam gravemente avariados. O próprio Mitralexis derrubou sozinho 1 dos bombardeiros médios e danificou um motor de outro.

Aterrorizados pelo feroz assalto surpresa dos caças gregos, os bombardeiros italianos remanescentes viraram seus aviões e retornaram á base. Porém Mitralexis ainda n tinha terminado sua luta contra os fascistas. Alinhando a mira de seu caça contra um dos bombardeiros mais próximo. Ele atirou e atirou até acabar com toda sua munição de suas 2 metralhadoras e seus 2 canhões de 20mm. 



Reconstrução digital de um PLZ P.24 com a camuflagem e as insígnias gregas


Não querendo desistir do ataque, Mitralexis decidiu fazer uma manabra perigosa. Lentamente se aproximando do bombardeiro, ele bateu a hélice de seu PZL contra a retaguarda do bombardeiro, usando a hélice como uma serra, danificando perigosamente a calda inteira do bombardeiro Sparviero. Sem demorar muito o bombardeiro começou a cair em um movimento em espiral e Mitralexis, com seu avião ainda voando, seguiu-o em sua mortal espiral.

O piloto italiano conseguiu "cair com estilo" com o bombardeiro, perdendo as asas e a calda, mas com o dorso "intacto" e os 4 tripulantes ainda vivos. Marinos pousou seu caça em um campo arado próximo, puxou sua pistola do coldre e matou os 4 tripulantes do Sparviero.



Cartaz de propaganda grego, de 1940, destacando as proezas aéreas que a Grécia (apoiada pela Grã-Bretanha) conseguiu fazer contra a Força Aérea Italiana. 


Por seus atos nesse combate ferrenho, Marinos conquistou a Cruz Dourada por Valor, a segunda medalha militar mais importante da Grécia.

Em Abril de 1941 o Exército Italiano estava em maus lenções em sua suposta "rápida campanha" contra a Grécia, e seus esforços militares estavam a beira do colapso e da retirada total. Infelizmente para a Grécia a Itália requisitou auxílio militar de seus aliados alemães.

Enquanto os gregos "curavam" suas feridas e montavam uma nova linha de defesa esperando uma nova tentativa de invasão italiana, eles foram rapidamente dominados pela Wehrmacht. Apesar de demonstrarem a mesma ferocidade e resistência que tiveram durante os ataques italianos, as forças gregas não tinham tecnologia e nem soldados e equipamentos os suficiente para resistir ao Exército Alemão.

Em 3 de Março de 1941 a Grécia foi sobrepujada e entrou para a lista de países ocupados pelo Eixo.

Marinos Mitalexis conseguiu escapar da Grécia e foi para o território controlado pelos britânicos, no Norte da África, onde ele se juntou às forças aliadas e continuou lutando contra a Itália e a Alemanha na região. Ele teve uma carreira bem sucedida durante essa fase da guerra, derrubando mais 5 aeronaves do Eixo e ganhando o rank de Líder de Esquadrilha dentro das forças britânicas estacionadas no Norte da África.



Foto de Marinos com o uniforma da Real Força Aérea Britânica


Marinos Mitalexis se tornou um dos pilotos militares mais conhecidos na Europa. Ele acabou morrendo, em 1948, quando seu avião sofreu uma pane e caiu no Mar Egeu.


Cortesia de: http://www.peashooter85.com/post/75649385654/marinos-mitralexis-the-hercules-of-the-sky-on




Vídeo mostrando uma simulação do ataque que Marinos fez contra o comboio de bombardeiros italianos, em Novembro de 1940.


Postado por: Matheus Santos da Silveira, Professor de História formado pela PUCPR, Especialista em História Contemporânea e Relações Internacionais

Sobre este site

O Projeto História Ilustrada é uma iniciativa acadêmica apoiada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e pela Fundação Antõnio dos Santos Abranches (FASA). Todos os autores deste site são formados ou estudantes do curso superior em História. Nós usamos técnicas de redação compatíveis com a linguagem da internet com o objetivo de disseminar o conhecimento e paixão pelos estudos históricos.

3 comentários:

  1. Diz a lenda que quando ele aterrissou e sacou a pistola ele ainda gritou "THIS IS SPARTA!" para os pilotos italianos

    ResponderExcluir
  2. O vídeo não diz que ele matou, diz que ele prendeu os tripulantes do avião italiano

    ResponderExcluir