3 pontos que você precisa entender antes de cursar História

Ler: uma das atividades primárias do historiador. (Imagem: StockVault)

O que é estudar História? O que é fazer História? Será que é tudo aquilo que encontramos nos estereótipos dos comentários dos tios no almoço de domingo ou aquelas piadinhas que vemos com frequência em várias páginas do Facebook?
Se você ainda é jovem e pensa em ser historiador; se você já não é tão jovem assim, mas tem a vontade de seguir carreira acadêmica na área de História; se você está em dúvida sobre qual caminho escolher na vida e uma das opções é o curso de História, continue lendo, porque esse artigo foi feito especialmente para você.

O que iremos fazer aqui é o seguinte: desmistificar o curso, ampliar a sua visão acerca das atividades do historiador e te dar algumas bases para que você já inicie o próximo semestre sabendo o que vai encontrar pela frente. E desde já aconselhamos: não se assuste, é grande o número de pessoas que se surpreendem logo nas primeiras disciplinas cursadas na faculdade.

Para ir se acostumando com a desconstrução que o curso oferece, abra seu bloco de notas e guarde algumas informações, vá atrás depois. Se você quer mesmo ser um historiador, deve manter acesa essa chama da curiosidade aí dentro. Lembre-se: a História não está morta, fixa, inalterável, há sempre mais a ser descoberto.



História como ciência: o que você sabe a respeito?


A História sempre esteve presente em tudo. Se partirmos para a definição encontrada no guia de praticamente todo historiador (estamos falando de Apologia da História, a obra inacabada de Marc Bloch), a História estuda o ser humano, mas não somente isso, estuda as ações do ser humano no tempo. Então, partindo desta definição basilar, há muito para se debruçar sobre e, consequentemente, a ciência acaba trabalhando com outras, como a Sociologia, Psicologia, a lista pode ser extensa.

Mas, essa interdisciplinariedade nem sempre esteve no ato de fazer história. Para isso, vamos voltar ao século XIX, quando finalmente a História foi reconhecida como ciência.
Leopold von Ranke, um dos primeiros historiadores positivistas. (Cópia de óleo por Adolf Jebens, original por Julius Schrader, 1875. Märkisches Museum, Berlim)
Ela surgiu após a influência positivista do filósofo Augusto Comte, que viria a influenciar uma série de intelectuais até mesmo no século XX. E é através dos nomes de Leopold Von Ranke e Fustel de Coulanges, prussiano e francês, respectivamente, que vemos a História tomar seus rumos de uma forma mais sistematizada.
E qual era a visão de "fazer história" que a metodologia positivista possuía?

- Uma história contada de forma linear, progressivamente.
- Apresentar fatos históricos de forma verdadeira.
- Neutralidade e objetividade, narrar o passado com imparcialidade.
- Resgatar o passado em sua totalidade através de documentos oficiais e atestados como legítimos.
- Uma História marcada por grandes acontecimentos, fatos históricos e rupturas que explicitam o progresso histórico.

As características do positivismo, como você poderá ver ao longo do curso, se mostram claramente ineficientes e incompletas quando aplicadas para a análise dos acontecimentos.
Primeiramente que a linearidade atrapalha a compreensão da trama complexa de fatores, múltiplos em suas naturezas, que devem ser organizados e dialogados entre si. E, como já dizia Lucien Febvre, "a história é filha do seu tempo". Não há imparcialidade na análise historiográfica, de forma que apresentar fatos históricos como unicamente verdadeiros, inalteráveis, torna-se uma pretensão grandiosa, já que às vezes existem detalhes que passam despercebidos, que ninguém descobriu ainda, com o poder de mudar a compreensão que temos sobre algo.
Existem múltiplas formas de se olhar para um fato e, em muitas vezes, algumas formas se complementam. O ponto é que de tempos em tempos vemos a história sendo revisada, vestígios do passado que se faziam ocultos são descobertos e casos tidos como "fechados" se mostram diferentes.
É ainda no século XIX que vemos ascensão de outra corrente historiográfica que viria formar um grande número de pesquisadores adeptos, muitos deles você poderá encontrar enquanto estiver cursando na faculdade.
Karl Marx, criador do Materialismo Histórico Dialético.
Estamos falando do marxismo como metodologia para o fazer história, o Materialismo Histórico, que se origina da filosofia de Marx, o Materialismo Dialético.
Resumidamente, tal metodologia analisa os processos históricos através do prisma da relação do ser humano com os meios de produção. Ela é uma metodologia materialista, pois despreza o metafísico, partindo do princípio de que o ser humano e a sua consciência são determinados pela matéria.
Esta abordagem, logicamente, vai pender para os campos da economia e do social, onde encontraremos grandes historiadores como Eric J. Hobsbawm e E. P. Thompson.
O materialismo histórico é fruto do seu tempo, de uma Europa em ebulição após a Revolução Industrial e a consequente disseminação do liberalismo através da classe burguesa, da consolidação política dos operários que alienavam sua força de trabalho e enfrentavam duramente os períodos instáveis da economia. É coerente que a História, a partir deste tempo, também seja feita com um olhar voltado para o que estava em discussão na época: os meios de produção.
Mas então, é só isso? A maioria dos graduandos entram no curso sem conhecer um dos movimentos intelectuais mais importantes do século XX: a Escola dos Annales. Trata-se de uma escola que revolucionou a historiografia de forma única e trouxe uma amplitude muito maior para os estudos analíticos das ações do ser humano no tempo.
Marc Bloch em sua última fotografia, 1944.
Ela se iniciou na década de 1920 através de Marc Bloch e Lucien Febvre, já citados aqui neste texto, uma mostra da importância que os dois tiveram para a historiografia. Eles formaram a primeira geração do movimento, indo de encontro ao positivismo e toda a sua herança, procurando ampliar os estudos para a chamada "história total". Enquanto o positivismo focava somente em grandes acontecimentos, em figuras marcantes e pontos de ruptura, a História de Bloch e Febvre vem para a abranger campos inexplorados, aliando-se à interdisciplinariedade a fim de compreender com mais clareza os fatos no tempo.
A segunda geração da escola é liderada por Fernand Braudel, que dá continuidade à revolução feita pelos seus antecessores, chegando então à terceira geração de Jacques Le Goff, grande medievalista que provavelmente você encontrará bastante durante o curso.
Todas essas gerações possuem as suas peculiaridades, mas todas dialogam entre si, nunca ficando restritas a um modo fixo de entender os acontecimentos, mas sempre procurando problematizar, aplicar novos métodos e, consequentemente, compreender melhor o que faz parte do nosso mundo.

O que alguém formado em História faz?


Você sabe responder essa pergunta? Normalmente a resposta remete às salas de aula lotadas de alunos do ensino fundamental e médio que na maioria dos casos não estão nem aí para nada. Ou para as salas das universidades onde o ensino é um pouco mais específico. Ou seja, a imagem do historiador é sempre vinculada à profissão de professor.
E isso não é acontece à toa.
As disciplinas ofertadas no curso de Licenciatura em História, que é o mais popular e, falando de mercado, o mais vantajoso, passam pelo mais puro estudo historiográfico para a análise de um PPP (Projeto Político Pedagógico), por exemplo.

Basicamente, a escolha pelo Bacharelado te permite ser o historiador que uma pessoa formada em Licenciatura também é. Porém, o mercado é bem mais restrito, já que não existe oficialmente a profissão de historiador no Brasil. A profissão está esperando a sua regulamentação no Legislativo através da PL 4699/12. O seu status no momento é: "aguardando apreciação pelo Senado Federal". Ok. Enquanto isso não acontecesse, fazer Licenciatura vai continuar sendo a melhor opção para quem quer ser historiador e ter uma vida confortável financeiramente.

Sim, porque essa fama de que historiador ganha mal ou "passa fome" é nada mais do que boato. Existe sim, ainda, a falta da valorização do professor, sendo necessário realizar mestrados e doutorados para finalmente chegar a um conforto financeiro, porém, o caminho para isso não é tão doloroso como se pensa.
Aliás, você já parou para pesquisar na lista de atividades remuneradas que alguém formado em História pode desempenhar, além de professores e pesquisadores de universidades?

- Gestão documental em arquivos públicos e privados.
- Pesquisadores em empresas voltadas para a "história empresarial".
- Técnicos em órgãos de preservação de patrimônios.
- Atividades dentro do campo arqueológico.
- Consultores em produções de filmes, peças, livros de ficção, novelas, seriados, jornais e quase tudo o que você assiste na televisão.
- ONGs que procuram resgatar a memória de algum ícone ou acontecimento específico.
- Trabalhar em campanhas eleitorais.

Como você pode ver, o mercado é bem amplo. Você pode trabalhar como consultor para uma empresa a fim de resgatar a sua história, ganhando muito bem, aliás, enquanto desenvolve a sua pesquisa principal numa universidade, satisfazendo seu bolso e sua mente.
Sem falar que os professores de História não ficam restritos apenas ao seu curso de origem. Eles estão espalhados em outros como os de Jornalismo, Arquitetura e Urbanismo, Museologia, por exemplo.

Os estereótipos são realmente verdadeiros?

O que mais se escuta quando o assunto é o curso de História na faculdade? Os estereótipos são quase sempre os mesmos, apenas variando um pouquinho. Vamos até fazer uma listinha aqui para facilitar:

- Camisa vermelha do Che Guevara.
- Marxista/socialista/comunista.
- Ateu.
- Homens usam barba e deixam o cabelo crescer.
- Todos andam de sandálias.
- Uso de drogas ilícitas.
- Paz e amor livre.

Então, possivelmente você vai encontrar esse tipo de pessoa em alguns cursos da universidade, mas não, essa ideia de que todo aluno de História é sempre de esquerda, ateu e adora usufruir de drogas ilícitas naturais, logicamente, é nada mais do que... um estereótipo.
Você vai encontrar pessoas de todos os tipos no seu curso, desde o religioso mais fervoroso ao niilista.
Só para você ter uma ideia da pluralidade de personalidades que temos entre os historiadores, Marc Bloch batalhou ativamente na Segunda Guerra Mundial (sendo essa a causa de sua morte). E se por um lado se fala tanto em historiadores declaradamente de esquerda, esquece-se que existem outros declaradamente de direita, conservadores, como o britânico Paul Johnson.
Não, não é somente de "Milenas" que os cursos de Ciências Humanas, principalmente o de História, são feitos.
Universidades são os lugares onde você, com toda a certeza do mundo, terá que lidar com um grande número de pessoas que pensam diferente de você, se vestem diferente, falam diferente e agem de forma diferente.
Partindo de uma visão generalizadora, não há somente um estereótipo, existem vários e talvez você se confunda entre eles quando acabar percebendo que, na verdade, ficar restringindo a compreensão da personalidade de alguém à uma bolha é algo ineficiente. Algo que um historiador não deve fazer.

Boa sorte para quem fez o Enem este ano. E se você escolher História como curso, temos a certeza de que nunca mais será o mesmo.



Equipe de produção do artigo:

Beatriz de Miranda Brusantin
Doutora em História Social pela Universidade Estadual de Campinas
Coordenação de Produção e Pesquisa Histórica
Bruno Henrique Brito Lopes
Graduando em História pela Universidade Católica de Pernambuco
Coordenação de Redação e Edição
Raphael Esteves de Almeida Jacinto
Graduando em História pela Universidade Católica de Pernambuco
Produção de texto
Vamberto Gonçalves da Silva
Graduando em História pela Universidade Católica de Pernambuco
Pesquisa Histórica
Dannyel Oliveira Souza
Graduanda em História pela Universidade Católica de Pernambuco
Pesquisa Histórica
Rafael Ragner Valentim Phaelante da Câmara Lima
Graduando em História pela Universidade Católica de Pernambuco
Pesquisa Histórica
Felipe Nunes de Almeida Pereira
Graduando em História pela Universidade Católica de Pernambuco
Pesquisa Histórica

Sobre este site

O Projeto História Ilustrada é uma iniciativa acadêmica apoiada pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e pela Fundação Antõnio dos Santos Abranches (FASA). Todos os autores deste site são formados ou estudantes do curso superior em História. Nós usamos técnicas de redação compatíveis com a linguagem da internet com o objetivo de disseminar o conhecimento e paixão pelos estudos históricos.

10 comentários:

  1. Essa história de consultoria ouço desde 2000. Isso é bem restrito, e bastante ligado a editais e projetos governamentais. Arqueologia não é muito diferente, com a diferença de haver mais empresas privadas no negócio - mas o curso em si não te habilita arqueólogo, museólogo ou arquivista.
    Na prática mesmo, a docência é o canal "natural" da profissão, mesmo se você quiser seguir carreira acadêmica. É raríssima no Brasil a figura do pesquisador dedicado, cujo vínculo empregatício não inclui a docência.
    Mas, se pensarmos em termos de licenciatura de humanas, apesar de o mercado ser bem saturado (é só ver a lista de concorrentes em qualquer edital de concurso, só perde para pedagogia), é um curso e uma área com um razoável número de oportunidades, principalmente na educação à distância, como elaborador de conteúdos e design instrucional.

    ResponderExcluir
  2. estou cursando licenciatura em História em breve professor Fé em Deus rs'

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de mais esclarecimento sobre a menção da atividade "gestão documental em arquivos públicos e privados" como área de atuação do historiador. Existe embasamento legal pra este tipo de atuação? Porque até onde sei o curso de história não fornece instrumental teórico, metodológico e cientifico para desenvolver este tipo de trabalho, essa área é de competência do arquivista, bacharel em Arquivologia. Os projetos de organização e gestão de documentos coordenado por historiadores que tomei conhecimento precisou de consultoria e participação de arquivistas na equipe de trabalho.

    ResponderExcluir
  4. Amei!!!!! Estou cursando e muito feliz!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Gente do céu só cai chuva, milagre não existe! Não adianta fazer uma licenciatura ( pior ainda aqueles que vivem pendurado nas notas, pois o barzinho sempre foi a primeira opção em vez da sala de aula) e achar que vai sair pronto pra ser um Indiana Jones da vida!! Como qualquer profissão levam anos para ser bem remunerado, isso se a pessoa não ficar estagnada nos primeiros rudimentos. A trilha do sucesso é ardua para qualquer um, seja para um médico ou historiador! (mi mi mi começando em três dois ...)

    ResponderExcluir
  6. Muito bom o artigo, porém gostaria de LEMBRA-lós QUE "ANNALES" ERA UMA REVISTA E NÃO UMA ESCOLA, UM ERRO GROTESCO!

    ResponderExcluir
  7. quero ser palestrante,tenho o dom da palavra,ñ quero só um diploma,quero uma livraria inteira rsrsrr amooooo o saber

    ResponderExcluir
  8. Estou no 4° semestre de história ,e realmente a luta é árdua, sou bolsista e muitas vezes deixei de entregar,trabalhos por não ter condições de comprar livros,mas estou conseguindo ir em frente,porém em nome de jesus vou conseguir mim gradua e futuramente fazer um mestrado,doutorado.

    ResponderExcluir
  9. Tem gente pessimista que seria melhor ter ficado calado e que não merece ser comentado o que posta. Hoje as condições de quem se forma em história estão melhores.

    ResponderExcluir